Depois de na semana passada termos ido conversar com o nosso treinador da equipa senior, Pedro Cascarrinho, esta semana o nosso entrevistado é Miguel Velez, actual treinador da nossa equipa de juniores. Juntando os anos que já leva como treinador aos que teve como nosso atleta, no total são já mais de 10 anos a defender as cores do nosso clube e certamente muitas histórias para contar.

AMSAC: Miguel, se nos permite, começamos exactamente por aí, os seus tempos como atleta da AMSAC. Foram seis anos de formação mais um na nossa equipa sénior. Ainda se lembra de como veio parar à AMSAC e do seu primeiro dia no nosso clube?

Miguel Velez: Lembro-me perfeitamente. Na altura, tinha eu +/- 13 anos, fui desafiado pelo meu cunhado à altura a ir treinar à AMSAC. Ele era amigo do Mister Paulo Gomes e surgiu essa oportunidade. Infelizmente nesse dia por falecimento de um familiar do treinador não houve treino… mas essa lembrança ficou sempre.

AMSAC:  Já lá vão mais de 15 anos, há quem diga que agora os tempos são outros. Na altura todos os treinos e jogos eram realizados no ringue da AMSAC, eram poucos os pavilhões na altura. Que principais diferenças destacaria ao nível de treino e táctica entre essa época e os dias de hoje?

Miguel Velez: É quase impossível comparar o Futsal praticado hoje com o de há quinze anos atrás. Na altura só o facto de treinarmos à chuva alterava logo a preparação e a qualidade das unidades de treino. Depois, e fruto de uma globalização e aumento de popularidade da modalidade, existiu uma grande evolução a nível tático na maioria dos treinadores ao longo dos anos. Os treinadores de Futsal estão a ficar cada vez mais fortes e preparados.

AMSAC: E ao nível do perfil dos atletas e do respectivo compromisso e disponibilidade que muitas vezes se fala, o que mudou nestes 15 anos?

Miguel Velez: Aqui continuamos a falar de realidades totalmente diferentes. Na minha altura apenas o Sporting tinha formação e isso fazia com que a maioria dos jogadores se mantivessem nos seus clubes praticamente toda a formação. Também não existiam tantas distrações extra futsal como as que há hoje e que muitas vezes retiram tantos jovens ao desporto. Basicamente os clubes eram constituídos apenas e só por grupos de amigos, na maioria todos da mesma zona, algo que hoje não acontece com atletas a mudarem de clubes praticamente todas as épocas alguns na ilusão de algo que lhes prometem e não cumprem.

AMSAC: Nessa altura, enquanto atleta, conquistou dois dos seus primeiros títulos à frente do nosso clube, um de campeão distrital de juvenis e outro de campeão nacional da II Divisão de Seniores. Relativamente à equipa de juvenis ainda muitos a relembram como uma das melhores que passou pela AMSAC, tendo inclusive vários atletas integrado a equipa sénior. O que é feito destes atletas todos? Porque acabaram por se “perder” no futsal?

Miguel Velez: Na minha opinião essa foi sem dúvida uma das grandes equipas de  formação que alguma vez vi na AMSAC. Uma equipa que era composta pelo 5 inicial da Seleção de Lisboa e onde todos os jogadores tinham muita qualidade individual. Na altura a AMSAC não tinha a estrutura que tem hoje e, acredito que essa mesma equipa não teve o acompanhamento que deveria ter tido. Uns jogadores acabaram por ir para o Sporting, lembro me que outros foram viver para Inglaterra, outros para o futebol 11 e essa equipa acabou por se partir não chegando praticamente ninguém aos Seniores tirando o Cadu e eu que curiosamente era o jogador com menos minutos desta equipa.

AMSAC: Inclusive o Miguel também se acabou por “perder” no futsal como atleta. Depois de um ano na nossa equipa sénior acabou por sair para clubes de divisões inferiores, tendo terminado a sua carreira como atleta no Manjoeira. O que o levou a desistir do futsal na altura? Ainda se arrepende ou foi a decisão mais acertada?

Miguel Velez: Eu nunca fui um atleta fora de série por isso não me parece que me tenha perdido. Na AMSAC fiz os meus melhores amigos e habituei-me a ganhar quase sempre e, quando sai, fui perdendo isso.  Fui deixando de jogar com os meus melhores amigos, assim como fui deixando de ganhar com aquela regularidade que eu precisava para me sentir bem. A certa altura o Futsal começou a ser uma obrigação e deixou de ser aquela fonte de alegria e bem-estar que sempre tive… nessa altura parei e fiquei por ali.

AMSAC: Curiosamente o treinador da Manjoeira na altura era o nosso actual treinador da equipa sénior, Pedro Cascarrinho. Certamente que na altura a relação entre ambos era diferente da que é hoje. Actualmente, estando os dois à frente dos escalões mais importantes da AMSAC, como é a relação entre ambos?

Miguel Velez:  Na altura que o Mister Pedro entrou na Manjoeira eu já estava em fase de saída do Futsal como jogador mas fiquei sempre com uma boa opinião a nível da sua qualidade como treinador. Essa opinião não foi alterada quando voltei à AMSAC nem agora que cheguei aos Juniores.

AMSAC: Passando agora para os seus tempos como treinador, o seu regresso ao clube, depois de alguns anos de ausência, deu-se em Setembro de 2012 pelas mãos do antigo responsável pela formação, Carlos Cautela. Foi fácil convencê-lo a regressar ao clube? O que o motivou a voltar a uma casa que tão bem conhecia?

Miguel Velez: Desde que sai da AMSAC fui praticamente convidado todos os anos para voltar seja como treinador, adjunto ou como colaborador. No entanto a minha vida profissional na altura colocava me muitas vezes fora do Pais e a trabalhar sempre a horas tardias sendo impossível conciliar o Futsal com o que fazia. Certo dia fui jogar à bola com o meu irmão e acabámos por passar pela sede da AMSAC para beber agua. Nesse dia estava lá o Sr Cautela que me desafiou para pegar nos Infantis. Curiosamente o meu irmão iria ser Infantil de 2º ano e eu nesse momento senti que essa era a última oportunidade que eu tinha para voltar ao Futsal e à AMSAC, assim como sempre senti que devia algo à associação por tudo o que cá passei.  A minha história na AMSAC não estava completa e o desejo de voltar foi mais forte.

AMSAC: De uma forma muito breve, são já cinco anos como treinador. Inicou-se no nosso escalão de infantis, no ano seguinte treinou os nossos iniciados, nos dois seguintes os nossos juvenis e no último ano o nosso escalão de juniores. Tem nestes cinco anos três subidas de divisão, sendo que em duas delas foi também campeão distrital. Digamos que para início de carreira melhor era difícil. Que balanço faz o Miguel destes cinco anos e como explica este sucesso?

Miguel Velez: Essa pergunta é um bocado complicada para mim. Ok, em cinco anos subimos três vezes, duas vezes campeões e as outras duas épocas foram na divisão de honra onde ficámos ambas em 5º lugar apenas atrás de Sporting, Benfica, Belenenses e em iniciados Bairro da Boavista(tinham na altura uma equipa de outro patamar) e de Leões de Porto Salvo. Visto assim não parece mau, mas o meu trabalho na AMSAC não passa só por ganhar títulos. O meu grande objectivo na AMSAC é que a mentalidade que tenho, aquela que construí no meu clube, volte à cabeça de todos os que trabalham comigo.  Eu acredito muito que a AMSAC se pode bater de igual para igual contra qualquer equipa. E para isso existem alguns princípios que se tem que passar ao longo dos anos a quem passa por esta casa. Felizmente hoje mais do que quando entrei existem nesta casa mais pessoas e atletas com essa mentalidade e isso faz com que cada vez mais a AMSAC volte a ter o respeito que sempre teve dentro do futsal de formação.

AMSAC: A semana passada iniciou-se uma nova época, novamente à frente da equipa de Juniores mas desta vez na Divisão de Honra. Curiosamente os únicos dois anos em que não conseguiu títulos, ou subir de divisão, foi quando disputou de igual modo a Divisão de Honra, embora o enquadramento fosse diferente. Quais os objectivos da sua equipa para este ano?

Miguel Velez: Os nossos objetivos não dependem da divisão onde nos encontramos. Seja em que divisão for, em que pavilhão for nós vamos sempre jogar para ganhar respeitando ao máximo o nosso adversário e respeitando ao máximo o símbolo que trazemos ao peito. Sabemos o quanto trabalhamos e o compromisso que temos uns com os outros. Dito isto, lutaremos até ao fim para chegar à Taça Nacional.

AMSAC: No dia 17 de Agosto realizou-se também o sorteio para a nova época. Ficou satisfeito com o mesmo?

Miguel Velez: Para ser sincero não acredito em bons ou maus sorteios a este nível. Nesta fase acredito que seja qual for o sorteio, no final as seis melhores equipas serão qualificadas pois serão as que irão fazer mais pontos.

AMSAC: Este fim-de-semana os Juniores tiveram o seu primeiro confronto de pré-época diante a equipa D. João I, que acabaram por vencer por 5-4. Desta equipa de juniores são doze os atletas que transitam da época anterior, sete do plantel de juniores cinco que subiram dos juvenis. Como viu este primeiro jogo?

Miguel Velez: O objetivo era esse, com a manutenção da espinha dorsal o trabalho de pré-época ser um pouco diferente. No entanto e por estarem ainda de férias ou lesionados vários atletas que fizeram parte da equipa do ano passado e com isto melhor conhecem o que pedimos no nosso modelo, tivemos esta semana que iniciar o modelo de jogo praticamente do zero e com o plantel bastante curto. A equipa trabalhou e correspondeu ao que foi pedido tendo conseguido transferir a espaços o que foi trabalhado no treino. O resultado não sendo fundamental era importante e acredito que aumentou os índices de confiança dos nossos atletas pois não há melhor do que sentir que o que treinamos passa para o jogo com qualidade, principalmente quando jogamos contra equipas de grande qualidade como é o caso do D João I.

AMSAC: Se compararmos a Divisão de Honra e a 1ª Divisão, o formato é ligeiramente diferente. A 1ª e 2ª Fase são bastante semelhantes, apenas o número de equipas é diferente, fases as quais apostam um pouco na regularidade e consistência das equipas. No entanto, na Divisão de Honra, existe posteriormente, uma meia-final e final e só depois disso se conhece o campeão. Considera este formato justo ou acha que deveria ser revisto?

Miguel Velez: O formato da 1ª Divisão é o ideal.  Já o campeonato ir a meias finais no formato que vai e uma final à melhor de três torna este campeonato totalmente imprevisível e injusto na sua fase final. Eu sou dos que acreditam que as equipas mais regulares merecem ser as que ganham campeonatos, mas pelos vistos há quem ache que um campeonato não de deve decidir propriamente em sete meses, mas sim em dois fins de semana. Se queremos tornar as coisas aleatórias ao menos que fosse há melhor de três na meia final e à melhor de cinco na final. Assim como está, impede qualquer clube de assumir claramente que quer ser campeão, porque ninguém sabe que azares pode ter e que equipa terá em fevereiro para lutar pelas meias finais. Querem que vos diga quantas equipas injustamente este formato já prejudicou? Não entendo porque nada muda.

AMSAC: Como já referimos acima, o Miguel nos últimos três anos conseguiu dois títulos de campeão. Dos dois qual destacaria e o porquê? Qual foi na sua opinião o mais difícil de alcançar?

Miguel Velez: Ser campeão é muito difícil. Foram dois títulos bastante complicados e de enorme trabalho onde é impossível destacar seja que titulo for.

AMSAC: Ao longo dos últimos anos, são vários os atletas treinados por si que têm saído para clubes de maior dimensação, como por exemplo Benfica e Sporting. No entanto esta última época, pelo menos até ao momento, nenhum saiu. Está efectivamente algo a mudar na formação da AMSAC que leva os atletas a repensar a saída ou como explica esta situação?

Miguel Velez: Lá está, as coisas estão a mudar. Não propriamente pelo facto de ninguém ter saído para um dos grandes de Lisboa, mas porque cada vez mais os atletas confiam no nosso processo de formação e no nosso trabalho. Lembro-me que das maiores surpresas que tive quando voltei para a AMSAC era a forma como vários atletas não se sentiam identificados pelo clube e preferiam sair seja para que clube fosse. Hoje são cada vez menos os que querem sair e cada vez mais os que se querem juntar a nós.

AMSAC: Ao longo destes muitos anos que leva de AMSAC certamente que são muitas histórias que tem para contar. Quer partilhar connosco a melhor que tenha tido enquanto atleta e outra enquanto treinador?

Miguel Velez: Como jogador foram várias mesmo, lembro-me um jogo de juvenis com os bons dias no nosso ringue, que a perdermos 4-0 fomos ganhar 5-4  e no último golo ao festejar fui me sentar no banco de suplentes dos Bons dias e o treinador deles passou se e foi expulso pois queria me bater. Como treinador não me posso esquecer do jogo no Sassoeiros, a contar para o campeonato de Juvenis, nós em 2º lugar e a perdermos 3-1 aos 30 minutos da 2ª parte, conseguimos marcar o 3-2 e no último segundo o 3-3 e eu não aguentei e entrei a correr dentro do campo para festejar com os jogadores. O empate conseguido como treinador em Alvalade no escalão de Juvenis, assim como a palestra que tivemos nesse dia vai estar comigo para sempre sendo que nesse dia senti que os nossos atletas começaram a acreditar realmente em nós e que era possível. Uma derrota na luz em iniciados por 3-1 em que depois de um grande jogo um atleta veio ter comigo e me disse a chorar que era injusto e que eu o tinha feito acreditar que íamos ganhar ao Benfica mas não conseguimos e ele não percebia porque… Nesse dia disse lhe que ele em breve estaria a lutar por algo diferente e passado 1 ano era chamado à seleção nacional sub 17. Esta época também vários jogos foram os que jamais irei esquecer.

Muito obrigado por esta entrevista e desejamos-lhe uma boa época, a qual se inicia oficialmente já no próximo dia 9 de Setembro diante o Cascais. Esperamos que a AMSAC no escalão de juniores consiga atingir os seus objectivos!

1 reply
  1. Fahid
    Fahid says:

    Velez

    Alem de jogador sempre foi uma grade pessoa

    A pessoa que ele se refere (foram pra Inglaterra) sou eu Fahid Sulemane(10) capitao dessa equipa
    que alem de memorias deram mt coisa pra falar e ainda hj penso como seria se tivessemos todos continuado

    Do mister aos jogadores eram todos superstars

    e o Velez continua a ser
    forca meu irmao

    Velez vai um amigavel??

    BOLTON FUTSAL CLUB

    Responder

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *