Esta semana o nosso entrevistado é Pedro Cascarrinho, o qual inicia hoje a 4ª época consecutiva como treinador principal da nossa equipa de futsal de seniores.

AMSAC: Permita-nos que antes de falarmos sobre esta época, que hoje se inicia, que abordemos um pouco a época anterior. No seu ponto de vista que balanço faz da época anterior em termos desportivos?

Pedro Cascarrinho: A época anterior ficou um pouco aquém das expectativas iniciais, uma vez que não conseguimos o apuramento para a fase de subida de divisão. Para isto contribuíram diversos factores que não eram expectáveis no início da época.

AMSAC: Relativamente à última época, apesar de termos ficado perto do apuramento para a discussão da subida, no final acabámos por não o conseguir. Quais em seu entender foram as razões ou os pormenores que poderão ter contribuído para tal facto?

Pedro Cascarrinho: As razões encontram-se devidamente identificadas, porém, trataram-se de questões que não eram possíveis de antecipar no planeamento inicial e, por isso, mais difíceis de corrigir. De todas as formas, parece-me importante referir que estas questões foram tidas em consideração no planeamento deste ano.

AMSAC: Olhando já para esta época que se inicia, já temos o plantel todo definido e pronto para começar. Um plantel com uma média de idades de 25 anos, do qual fazem parte 4 atletas da época anterior mais 2 atletas que subiram do escalão de júnior. A estes juntam-se muitas caras novas. É assim tão complicado fazer um plantel sénior de qualidade neste momento para participar na 2ª Divisão Nacional?

Pedro Cascarrinho: Não me parece que seja muito complicado constituir um bom plantel sénior, uma vez que existem muitos jogadores de qualidade. No entanto, as equipas com maior capacidade financeira, acabam por ter mais facilidade na construção dos seus plantéis.

AMSAC: Sabemos que o orçamento para a equipa senior tem diminuído nos últimos anos em consequência de querermos manter a estabilidade e seriedade que temos mantido ao longo da nossa história. AMSAC, da sua série, é um dos clubes com orçamento inferior. Apesar destas limitações este é o plantel que desejava ou é o plantel possível?

Pedro Cascarrinho: O plantel da AMSAC para esta época é aquele em que acredito para alcançar os objectivos definidos. Cada jogador, pelas suas características individuais, terá um espaço e um contributo importante para dar à equipa.

AMSAC: Em termos de qualidade, se compararmos o plantel deste ano com o da época anterior, na sua opinião o deste ano é superior ao da época transacta? Sendo um plantel mais jovem acha que isso pode ser uma vantagem ou desvantagem?

Pedro Cascarrinho: Estou muito satisfeito com a equipa que tenho. Temos boas soluções para todas as posições, pelo que só no final da época é que poderemos fazer uma avaliação mais exacta. Em relação à questão da idade, não me parece que a tónica deva ser colocada na idade, mas sim na qualidade e na capacidade de cada jogador.

AMSAC: Apesar deste ano terem subido mais dois juniores ao escalão de seniores, o que pode ser um sinal que algo esteja a mudar, pois há dois anos já outros dois tinham subido, a verdade é que há vários anos que não vemos nenhum atleta vingar de “estaca”, como se costuma dizer, na nossa equipa senior. Na sua opinião como se explica esta situação?

Pedro Cascarrinho: Parece-me que é sempre um bom sinal quando existem jogadores juniores que se destacam e sobem ao escalão de seniores. No entanto, tratam-se de escalões, pela sua natureza, com níveis de experiência e exigência muito diferentes. Assim, o escalão sénior requere uma maior capacidade de adaptação e persistência na procura de oportunidades para alcançar o sucesso.

AMSAC: Em termos competitivos a série deste ano é a mais forte de sempre em que AMSAC tenha estado inserida, provavelmente também a série mais forte este ano da 2ª Divisão Nacional. Quais os objectivos da AMSAC este ano?

Pedro Cascarrinho: O objectivo principal consiste em conseguir o apuramento para a fase de subida de divisão.  Paralelamente, pretende-se também fazer uma boa campanha na Taça de Portugal.

AMSAC: Certamente que tem acompanhado o movimento de transferências das equipas adversárias. Na sua opinião quem poderão ser as equipas mais fortes e candidatas a vencer a série ? O que poderemos esperar desta série?

Pedro Cascarrinho: Esta é, sem dúvida, uma série muito forte, com muitas equipas boas, pelo que não é possível dizer à partida quem será a equipa candidata a vencer a série. Penso que será um campeonato muito equilibrado e com jogos de resultado imprevisível.

AMSAC: Como referimos no início da entrevista irá iniciar a sua 4ª época como treinador principal. Durante todo este tempo o director desportivo foi sempre Manuel Ferro. Pode-nos contar um pouco como é a vossa relação? Estão sempre de acordo em todas as decisões? São decisões partilhadas entre equipa técnica e direcção?

Pedro Cascarrinho: Posso dizer que é uma relação de amizade, respeito e confiança. Não estamos sempre de acordo, mas existe uma boa comunicação e partilha de informação e opiniões, pelo que se pode dizer que as decisões acabam por ser partilhadas.

AMSAC: Antes de ser treinador principal da equipa senior já tinha tido anteriormente uma passagem como treinador adjunto na AMSAC há quase 10 anos. Na sua opinião mudou algo na AMSAC dessa altura para hoje? Que mudanças mais significativas gostaria de destacar?

Pedro Cascarrinho: Parece-me importante destacar a maior ligação que existe entre todos os escalões, verificando-se principalmente uma melhor organização nos escalões de formação. Existe uma maior entreajuda entre os diferentes escalões, com foco no objectivo comum de tornar a AMSAC num clube cada vez mais forte.

AMSAC: Ao longo destes anos certamente já teve alguma situação caricata, ou no balneário, ou num treino ou num jogo. Lembra-se de alguma que queira partilhar connosco?

Pedro Cascarrinho: Um jogador pedir para sair do campo a meio de um jogo por estar muito aflito para ir à casa de banho, conta? J Ou um banho pós-treino que termina às escuras, por estar muito demorado?

AMSAC: Por último, qual destacaria como o melhor momento, e também o pior, enquanto treinador da AMSAC ao longo destes anos?

Pedro Cascarrinho: O melhor momento que gostaria de destacar coincide também com o pior momento. Refiro-me à época 2015/2016, em que tivemos um excelente desempenho ao longo de todo o campeonato e também na Taça de Portugal, porém devido a um erro fomos afastados administrativamente daquilo que conquistámos dentro de campo.

 

Para terminar desejamos-lhe uma boa época desportiva e que a nossa equipa senior consiga atingir os seus objectivos.

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *